Os acidentes só acontecem aos outros … E SE



Normalmente, damos maior valor à vida, quando nos falta saúde ou somos sujeitos a acidentes inesperados.
E SE, por alguma vicissitude da vida, … também nos toca!!

Estamos protegidos? E a nossa família?

Em todas estas situações estamos sempre sujeitos a um grande desequilíbrio físico, mental, financeiro e familiar.

🔸 Físico – porque podemos estar sujeitos a limitações na mobilidade, com ou sem dependência de terceiros.
🔸 Mental – As nossas responsabilidades poderão passar, na sua totalidade, para o cônjuge e filhos, causando estados emocionais de incapacidade, de peso, de inutilidade, de dependência, com efeitos devastadores na nossa auto estima.
🔸 Financeiro – porque desde uma possível hospitalização, todo o orçamento familiar é afetado, quer pela redução de rendimentos, quer pelo acréscimo de possíveis despesas de tratamento, necessários à recuperação, ou até mesmo, pela permanente invalidez, com necessidade de investimento de adaptação de habitações, viaturas, …, relacionadas com a nova condição física.
🔸 Familiar – Porque toda a doença ou acidente, influenciado pela sua gravidade, afeta o seio familiar em primeiro lugar, pelo efeito direto do desequilíbrio financeiro, e posteriormente em tudo que rodeia, nomeadamente estilo de vida, educação dos filhos, casa onde vivem, família ascendente e descendente.  

Surgem aqui várias questões e reflexões, havendo até quem diga … “quem cá fica que se desenrasque”.

Bem, E SE:
Também tiver que cá ficar, com uma invalidez ou com uma doença grave?
Em que condições vai ficar?
E como fica a sua família?

Felizmente, muitas famílias, aforram a contar com imprevistos. Este capital é crescente e limitado ao valor que se conseguiu amealhar.

REFLEXÃO - Poupança
Um exemplo de aforro (300€ e 600€ ano), extrapolado a 50 anos.
Aqui o capital é crescente, à medida do aforro, não da necessidade de saúde.
Não consideramos capitalização!



REFLEXÃO – Proteção e previdência
Um capital sempre disponível, desde o inicio da apólice, independentemente dos prémios que já tenha pago.
Exemplo real, de prémio a pagar, em função da idade e das 3 coberturas.

Neste exemplo, extrapolamos também, vários cenários, em que o segurado possa iniciar a apólice aos 25, 30, 40, 45, 50, 55 e 60 anos.


Podemos definir várias estratégias de previdência, sejam elas por aforro, investimento ou proteção.

Será dificil dizer que uma estratégia é melhor do que a outra.

O que propomos a nível de reflexão, é a COMPLEMENTARIDADE, em função das necessidades e preocupações de cada um (idade, estado civil, filhos, estilo de vida, …).

Procure uma solução para si!


O QUE PODE PROTEGER?
Incluindo 2 rodas (não profissional)

Incapacidade Temporária Absoluta por Internamento Hospitalar – Subsídio Diário
garante, em caso de Hospitalização, o pagamento do subsídio diário que constar nas Condições Particulares

Incapacidade Temporária Absoluta - Convalescença de Hospitalização - Subsídio Diário
quando a Pessoa Segura se encontre na impossibilidade física absoluta, clinicamente comprovada, de exercer todas e quaisquer tarefas inerentes à sua profissão ou no caso de não exercer profissão remunerada, se encontre temporariamente inibida de realizar os atos normais da sua vida doméstica, social e/ou escolar.
Em caso de Incapacidade Temporária Absoluta, o Segurador pagará, por sinistro, durante o período máximo de 180 (cento e oitenta) dias, o subsídio diário ou mensal fixado nas Condições Particulares

DOENÇAS GRAVES
garante, em caso de ocorrência pela primeira vez de Doença Grave manifestada pela Pessoa Segura durante a vigência do contrato, o Capital Seguro pela cobertura principal, no limite máximo de € 150.000,00. Considera-se data de ocorrência a data em que a Doença Grave é diagnosticada
Cancro, Cirurgias das Artérias Coronárias, Enfarte do Miocárdio, Insuficiência Renal Crónica, Acidente Vascular Cerebral (AVC), Tratamento das Doenças Valvulares do Coração, Esclerose Múltipla, Paralisia das Extremidades, ou;
Cancro, cirurgia de “By-Pass” coronário, enfarte do miocárdio, insuficiência renal terminal, acidente vascular cerebral e transplante de um órgão principal, ou;
1. Cancro; 2. Acidente Vascular Cerebral (primeiro); 3. Enfarte do Miocárdio (primeiro); 4. Intervenção Cirúrgica a uma Válvula Cardíaca; 5. Intervenção Cirúrgica da Artéria Aorta; 6. Angioplastia Coronária; 7. Revascularização Coronária.

Morte ou Invalidez Absoluta e Definitiva
Em caso de Morte ou  Invalidez  Absoluta  e  Definitiva  da  Pessoa  Segura,  durante  a  vigência  do  contrato  e independentemente do local onde esta ocorra, os beneficiários designados receberão o Capital Seguro
Considera-se que a Pessoa Segura se encontra em estado de Invalidez Absoluta e Definitiva se, em consequência de doença ou acidente ficar com uma limitação funcional e permanente, sem possibilidade clínica de melhoria, que incapacite a Pessoa Segura para o exercício de qualquer atividade remunerada, necessitando de recorrer à assistência de uma terceira pessoa para efetuar todos os atos normais da vida diária.

Invalidez Total e Permanente
garante o pagamento, em caso de Invalidez Total e Permanente da Pessoa Segura, do valor do Capital Seguro pela cobertura principal.
Considera-se Invalidez Total e Permanente, o estado de invalidez em que se encontra a Pessoa Segura quando cumulativamente, e em consequência de doença ou acidente, se verificarem relativamente a ela as três condições seguintes:
A Pessoa Segura fique totalmente incapaz de exercer a sua profissão ou qualquer outra atividade lucrativa compatível com as suas capacidades, conhecimentos e aptidões;
Apresentar um grau de incapacidade que, conforme o definido nas Condições Particulares, poderá ser igual ou superior a 60% ou igual ou superior a 65% de acordo com a tabela nacional de Incapacidades por Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais em vigor na data de avaliação da desvalorização sofrida pela Pessoa Segura, não entrando para o seu cálculo quaisquer incapacidades ou patologias pré-existentes;
Irreversibilidade da invalidez total, isto é, sem quaisquer esperanças de haver melhoria no seu estado de saúde por continuação de tratamento médico.

Invalidez Total e Permanente por Acidente
garante o pagamento, em caso de Invalidez Total e Permanente por Acidente da Pessoa Segura, do valor do Capital Seguro pela cobertura principal
Considera-se Invalidez Total e Permanente por Acidente, o estado de invalidez em que se encontra a Pessoa Segura quando cumulativamente, e em consequência de acidente, se verificarem relativamente a ela as três condições seguintes:
A Pessoa Segura fique totalmente incapaz de exercer a sua profissão ou qualquer outra atividade lucrativa compatível com as suas capacidades, conhecimentos e aptidões;
Apresentar um grau de incapacidade que, conforme o definido nas Condições Particulares, poderá ser igual ou superior a 60% ou igual ou superior a 65% de acordo com a Tabela Nacional de Incapacidades por Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais em vigor na data de avaliação da desvalorização sofrida pela Pessoa Segura, não entrando para o seu cálculo quaisquer incapacidades ou patologias pré-existentes;
Irreversibilidade da invalidez total, isto é, sem quaisquer esperanças de haver melhoria no seu estado de saúde por continuação de tratamento médico

Invalidez Permanente por Acidente Consequência de Assalto
Em caso de Invalidez – Total ou Parcial - sobrevinda no decurso de dois anos a contar da data do acidente em consequência de assalto, o Segurador pagará o capital que se obtém por aplicação da Tabela de Desvalorização abaixo transcrita ao capital fixado nas Condições Particulares para esta garantia.

Morte por Acidente
garante, em caso de morte da Pessoa Segura, resultante de acidente, e verificada nos doze meses subsequentes à data do mesmo, uma importância suplementar de valor igual ao Capital Seguro

Morte por Acidente de Circulação
garante, em caso de morte da Pessoa Segura resultante de acidente de circulação, e verificada nos doze meses subsequentes à data do mesmo, uma importância suplementar de valor igual ao Capital Seguro

Morte por Acidente em consequência de assalto
Em caso de morte ocorrida no decurso de dois anos a contar da data do acidente consequência do assalto, o Segurador pagará, ao(s) Beneficiário(s) designado(s), o capital fixado para esta garantia nas Condições Particulares da Apólice

Filhos Menores a Cargo
garante que, em caso de morte da Pessoa Segura, será pago um capital adicional desde que existam filhos menores a cargo ou nascidos no prazo de 300 dias posteriores à data do falecimento da Pessoa Segura

Lista de Espera
garante um capital fixo, em caso de intervenção cirúrgica a hiperplasia da próstata, doença da vesícula biliar e das vias biliares, hérnia da parede abdominal, varizes dos membros inferiores, cataratas, prótese da bacia ou do joelho

Despesas de tratamento e repatriamento (Acidente)
Se, na sequência direta de um acidente coberto pela Apólice e num prazo máximo de 30 dias contados sobre a data do referido acidente, a Pessoa Segura necessitar de tratamento médico, o Segurador pagará as despesas que decorram de tal tratamento, até ao montante fixado nas Condições Particulares. 2. Se, na sequência direta de um acidente coberto pela Apólice, as lesões corporais
sofridas implicarem o repatriamento da Pessoa Segura em transporte clinicamente aconselhado, o Segurador pagará as despesas que decorrerem de tal transporte, até ao montante fixado nas Condições Particulares.

Apoio a Cirurgia (Acidente)
Intervenção Cirúrgica: Qualquer ato médico com fim terapêutico ou de diagnóstico realizado mediante incisão ou outra via de abordagem interna, efetuado por um médico, num hospital ou clínica requerendo normalmente a utilização de uma sala de operações

Subsídio de Funeral
garante, em caso de morte da Pessoa Segura, o pagamento de um capital fixo, destinado a cobrir custos de repatriamento ou de funeral em Portugal


As estatísticas, valem o que valem, contudo saber nunca é demais!















Sugestões, e hábitos saudáveis!




Ame a vida! Decida pela vida! Viva protegido!



Comentários